Ed. Infantil e Ens. Fundamental

Rua Marília, 835 - Jd. Santa Rosa - Tel: 19 3544 9555

Ens. Médio e Pré-vestibular

Rua Júlio Mesquita, 905 - Centro - Tel: 19 3542 5955

arquivo.png

Aldir José Borelli Júnior

Amanda Acioli Miguel

Ana Carolina Fischer Pontes

Ana Paula Saragossa

André Avelãs Machado de Araujo

Antonio Calciolari Neto

Bruna Gasparotto

Bruno Vitali Orzari

Camila Pereira de Camargo Schiabel

Carmem Helena Vieira Madrilis

Carolina Colombini dos Santos

Caroline Krepschi

Ciro Bortolucci Baghin

Cristiane Maria de Lima Curtulo

Cristiane Regina Antonio

Daniel Augusto Nolli

Danilo Bressan

Danilo Coladetti Curtulo

Débora Fern. do Nascimento Santos

Emerson Scabora Alleva

Fábio Cesarini da Silva

Fabrício Luciano Minatel

Fernanda Pavan Guedes

Fernanda Pecinatto Daltro

Fernando Henrique Salviatto Zago

Idivaldo Augusto Ricci

Ivan Cid Branco Miranda Filho

João Paulo de Souza Abdala

José Alberto Rodini Neto

José Gonçalves Castro Neto

José Rui Scanavini Chiaradia

Júlia Maria de Moraes

Lara Bortolucci Castelar

Lauriany Aparecida Corte

Letícia Maria Prada

Loraine Vivian Gaino

Luiz Eduardo Lollo Oliveira

Luiz Guilherme Bononi Fachini

Luiz Leonardo Saldanha

Luiz Vítor Genoves

Marcela Franzini Rasxid

Marcela Gonçalves Curtolo

Maria Fernanda Casagrande

Maria Fernanda Pinto

Mariana Fischer Vale de Souza

Mariana Forkert de Moraes Leme

Mariana Nunes Rollo Denardi

Mariana Soares de Almeida

Marília Pesse Ferreira

Marília Tunes Mazon

Matheus Paiola

Maurício Eduardo Fogalle

Michele Parrili Tredezini Rodrigues

Monica Daniela Apolinário Mian

Mônica Piacentini Luizon

Murilo Cadamuro Maida

Murilo Curtulo

Murilo Trevisan

Naiara Roberta Maróstica

Nathália Graf Grachet

Patricia Gabriel

Paulo Lemos Neto

Pedro Luiz Flores Júnior

Rafael Baccan Pierobon

Renan Roberto Godoy

Renata Henriana Bernardo

Renato Rüegger Pereira de Freitas

Rodrigo Pereira da Silva

Rodrigo Pôncio Pasquotte

Tamiris Apolari De Gaspi

Tatiana Zanóbia Orpinelli

Thyago Marão Villela

Tomás Foch Nalle

Não conheço uma pessoa, que tenha tido uma vida escolar, que não traga para a vida adulta memórias da vida escolar. Parece repetitivo, eu sei, mas a verdade é que nossa história é isso: essa possibilidade de se constituir como ser humano a partir das experiências que tivemos desde a mais tenra idade. E quantas vivências o ambiente escolar pôde nos proporcionar, não é mesmo? Quantos anos da nossa vida passamos na escola… eu mesmo, só de Anglo, tenho na conta da vida, pelo menos, bons três anos, já que estudei durante todo meu Ensino Médio, me formando em 2005. Sem contar as oportunidades que tive de voltar ao Anglo, como “gente grande” e profissional, para realizar alguns trabalhos como jornalista em formação… Sei que lá as portas sempre estiveram abertas! 

Aprendi muito! Com as aulas e com tudo o que acontece “nos corredores” da escola. Quantos vínculos foram criados? Amigos que tenho a felicidade de carregar comigo até hoje. Lembro que estávamos juntos o tempo todo! Saímos da escola e nos encontrávamos no clube, saímos do clube e nos encontrávamos em qualquer outro lugar! O importante era estar junto. Como esquecer, por exemplo, daquele churrasco que fizemos por causa de uma aposta com um professor de biologia, que prometeu pagar a carne, se todos os alunos da sala tirassem nota máxima na avaliação? Como esquecer do corredor que fazíamos no “puxadinho”, nome carinhoso que demos à nossa sala, na hora do lanche, para zuar os amigos que passavam - sobrava até para o professor. Tem aquela história maluca, de um aluno mais maluco ainda, que conseguiu - não sei como - furar a parede da sala. Tinha um que chegava com muito sono e dormia no chão, antes da aula começar! Tinha a aluna com a letra impecável e que fazia avaliação de física de forma mais impecável ainda, que a gente brincava, podia se tornar gabarito. Teve o professor que tinha “cafubira, a pior das doenças”, algo que ele inventou pra fazer piada, e a gente riu! Lembranças de lousas lindas, cheias de desenhos, afinal toda ferramenta é válida, na hora de ensinar… dançar e cantar também pode. Valia tudo para ajudar a gente a passar no vestibular. Esse era um tema norteador das nossas conversas, assim como o aluno que decidiu colecionar o álbum “Amar é…”, em pleno 3º colegial. Um personagem capcioso e muito querido das memórias do Anglo. Como se esquecer? Tinha a turma do esporte, a turma do rock, os intelectuais, a turma do fundão, os nerds, os artistas… todos convivendo no mesmo ambiente: era tanta gente diferente convivendo muito bem!

A verdade é que o Anglo abriu uma porta gigante de possibilidades! Me permitiu ressignificar o papel da escola na minha formação, ampliando o  repertório de conteúdos, despertando espírito crítico, me tirando do senso comum. Sem contar a possibilidade de, a partir das aulas de teatro, dar voz à minha sensibilidade e ao autoconhecimento, tão fundamentais na construção de quem sou hoje! Gratidão especial a todos professores.

Quantas sementes plantadas ali, durante as aulas, que cresceram e me ajudaram a ser quem eu sou!

Para além da sala de aula, o Anglo me ensinou a ter responsabilidade com os estudos - “aula dada, aula estudada”. Me fazendo entender que disciplina e organização são fundamentais para atingir qualquer objetivo que se tenha. Isso me ajudou muito durante a faculdade e me ajuda na organização do meu trabalho.

Me garantiu oportunidade de escolha! Pude escolher minha profissão, na segurança de que estaria preparada para qualquer carreira. Tive sucesso no vestibular e, quando decidi repensar minhas escolhas e fazer outra faculdade, fui aprovada em todas as universidades públicas que prestei, mesmo estando afastada da escola há um tempo.

Como disse no início do depoimento, não conheço uma pessoa que não tenha memórias da vida escolar. As minhas são tão significativas que me fizeram escolher ser educadora, apaixonada pela profissão e pelo ambiente escolar. 

Saudade dos tempos de Anglo...

 

Renata Henriana Bernardo, 31 anos, formada em Pedagogia pela Unicamp e atualmente atua como professora em Campinas.